— NOTÍCIAS

INCLUSÃO PARA JOVENS E ADULTOS MANTÉM PROJETO DE TRÊS DÉCADAS

Projeto Educativo de Integração Social reintegra adultos ao universo dos estudos



|Texto: Fernando Barbosa

 

Ir ao encontro das pessoas que perderam a oportunidade de ampliar seus conhecimentos e até viverem às margens da sociedade pela pouca ou até total falta de aprendizado.  Essa é a missão que alimenta e persegue o Projeto Educativo de Integração Social (PEIS), desenvolvido nas dependências da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).   Criado pela necessidade de dar formação a profissionais há 36 anos, o PEIS amplia sua abrangência oferecendo uma gama de recursos, em aulas práticas e teóricas, conforme afirma a coordenadora do projeto, professora Sandra Fernandes Leite.

 

Professora Sandra Fernandes Leite, coordenadora do projeto

 

A gestora do projeto, professora Sônia Giubilei, orgulha-se da iniciativa, que surgiu em 1982 como curso preparatório para exames supletivos, nas dependências da Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCAMP) que visava apenas dar formação a um grupo de 27 profissionais de Saúde da Prefeitura Municipal de Campinas.

 

Professora Sônia Giubilei, gestora do projeto

 

O Projeto é encampado pela Unicamp em 1995 e passa a ocupar salas do Colégio Técnico da Unicamp (Cotuca), em 1999 se constitui como atividade da Pró-Reitoria de Extensão da Unicamp e desde 2014 ocupa salas da Faculdade de Educação.  

Sônia explica que o projeto consegue, após 36 anos, ter resultados como de alunos que após terem o aprendizado se graduaram em várias especialidades e alguns que até retornaram ao PEIS como monitores. Para ela, um dos fatores mais importantes do projeto é dar argumentos de discussão acima de tudo.

Sandra, coordenadora atual do projeto, relata que o PEIS mantém os ideais implantados em 1982 pela professora Sônia, de dar oportunidade para adultos se reintegrarem ao universo dos estudos e assim ampliarem suas possibilidades de atuação com a sociedade e até com o mercado profissional e ampliando com atividades para jovens e adolescentes.

Para Sandra, esse projeto é abastecido pela ação de vários profissionais, de diversas áreas da Unicamp, graduados e graduandos, em caráter voluntário. Segundo ela, atualmente as oficinas priorizam cursos mais rápidos e abertos para qualquer pessoa que tenha vontade de estudar.

A troca de experiências entre os profissionais e os usuários do programa resulta num ganho de qualidade de ambos os lados. A aluna Rosa Maria Crespo Barbosa, de 70 anos, moradora em Valinhos, esbanja felicidade ao relatar que superou muitas dificuldades antes de retomar os estudos.

 

Aluna Rosa Maria Crespo Barbosa

 

Dirce Maria da Silva Copertino, de 64 anos, moradora em Hortolândia, não quer parar tão cedo. Já fez o EJA e cursa uma graduação. Dirce está para lançar um livro motivada pela oficina de literatura que frequenta no PEIS. 

 

Aluna Dirce Maria da Silva Copertino

 

Isaltina Rodrigues de Oliveira e Vânia Galvão vêm todo sábado, de regiões distantes como o distrito Campo Grande, frequentar as aulas do PEIS.  Elas são contempladas também pelo auxílio de uma empresa de transporte que disponibiliza um ônibus para trazer o grupo até a Universidade, outra conquista desses alunos. “Não tive oportunidade de estudar na infância”, diz Isaltina. “Estou aprendendo e portas vão se abrindo para mim”, comemora Vânia.

 

Aluna Isaltina Rodrigues de Oliveira

 

Este Projeto conta com 24 profissionais entre voluntários e bolsistas-professores do Programa de Serviço de Apoio ao Estudante da Unicamp – SAE e apoio do GGBS - Grupo Gestor de Benefícios Sociais da UNICAMP.

Do lado profissional do projeto, monitores trazem suas experiências e ao mesmo tempo aprimoram seus campos de pesquisa e também do potencial de atuação em suas áreas. Renato da Silva de Deus, voluntário do programa, explica que se apaixonou pelo projeto e que mesmo após concluir seu ciclo universitário decidiu continuar no monitoramento das oficinas. “É fundamental neste projeto o conceito de que o ser humano não só aprende mas desperta para o que fazer com a técnica aprendida”, comenta o professor.

 

Professor Renato da Silva de Deus

 

A monitora Tayná Victória de Lima está convencida de que as pessoas aprendem a olhar criticamente para os problemas e a resolve-los coletivamente, pautados na afetividade e ternura. Ana Vieira pauta suas atividades com os educandos em uma formação mútua para a vida, tanto para os usuários como para os educadores. “Impossível não se transformar após esse contato com o projeto”, diz ela. 

Bruna Melo Santos vive a experiência de estar conduzindo oficinas de Literatura onde há pessoas que já se preparam para escrever livros, como a dona Dirce. “ Percebemos mudanças no comportamento após abrirem o universo da Leitura e escrita”. Ela ressalta o ganho de confiança das pessoas após essas experiências de aprendizado.

 

Bruna Melo Santos

 

O monitor Érico Pimenta ressalta o diferencial desse sistema, por não ter salas definidas e educadores e educandos em diálogo constante e aprendizado mútuo. Para o coordenador pedagógico do projeto, Leonardo Andrade, nesse processo ao mesmo tempo aprimora a formação de profissionais e preserva o conceito de educação ao longo da vida, para jovens, adultos e terceira idade.  

 

Monitor Érico Pimenta

 

Leonardo Andrade, coordenador pedagógico do projeto

 

O PEIS oferece oficinas de matemática, português, inclusão digital, literatura e artes.  As atividades acontecem todos os sábados no anexo da Faculdade de Educação da Unicamp, Avenida Bertrand Russell, 801, Cidade Universitária “Zeferino Vaz”, em Campinas (SP), das 8h30 as 12h45. As matriculas e aulas são gratuitas.